domingo, 8 de julho de 2012

8 ano - Continuação capítulo 7 - independência do Brasil

8 ano – A independência do Brasil
A Ida de D. João e as consequências na colônia
 

  • O governo Regencial no Reino do Brasil – de 1821( Ida de D João para Portugal) a 1822 – Foi governado por D. Pedro Príncipe Regente
  • Grandes comerciantes e Aristocratas se aproximam de D. Pedro por temerem perder os privilégios concedidos no governo de D. João
  • Muitos brasileiros desejavam a emancipação política do Brasil, porém muitos portugueses aqui residentes não
  • Havia uma grande preocupação das cortes Portuguesas(Políticos portugueses) na presença de D. Pedro e por isso começaram a tentar tolher a autonomia dele ao tomar suas decisões políticas
  • As Cortes Portuguesas determinam que as provincias deveriam a partir daquela data obedecer somente as ordens vindas de Portugal e desconsiderar as ordens dadas por D. Pedro
  • Os altos cargos militares deveriam serem ocupados somente por portugueses
  • Em 1822 as cortes exigem o retorno imediato de D. Pedro à Portugal
A ruptura
  • A Região Centro Sul ( Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais) organizam um grupo político disposto a lutar por um governo autônomo de Portugal sediado no Rio de Janeiro – Acreditam que D. Pedro é a pessoa indicada com poder de elaborar leis que garantisse seus privilégios
  • Este grupo político era composto de Grandes fazendeiros, ricos comerciantes, alto clero, oficiais do exército – Este grupo funda o Clube de Resistência com a finalidade de manter o Príncipe no Brasil
  • Em 09 de Janeiro de 1822 D. Pedro animado com apoio recebido declara que irá ficar no Brasil – Este dia ficou conhecido como o Dia do Fico
  • D. Pedro fecha conversações com o grupo do Centro Sul, deixando de fora as oligarquias agrárias do Norte, nordeste e do extremo sul ( Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Cisplatina)
  • Jose Bonifácio, um político, que fazia parte da elite agrária paulista, é nomeado por D. Pedro como o Ministro da Justiça
  • De posse de seu cargo determina o CUMPRA-SE – Lei que determinada que todas as leis vindas de Portugal só seriam obedecidas se houvesse consentimento de D. Pedro
  • D. Pedro é coroado com o título de Defensor Perpétuo do Brasil
  • Convoca uma Assembléia Constituinte, ratificando o separatismo de Portugal
  • Proíbe a entrada de tropas portugueses
Sobre os grupos que defenderam a separação da Colônia de Portugal
  • Este grupo não era homogêneo em suas posições políticas: havia divergências em suas crenças
Por isso foram formados 2 grupos: O de Bonifácio e Gonçalves Ledo
  • O grupo de Bonifácio apoiava D. Pedro, eram da aristocracia rural do sudeste, considerados Conservadores. Defendiam a Unidade territorial, a monarquia como melhor regime de governo, continuidade da escravidão e continuação dos privilégios para a aristocracia
  • O grupo de Gonçalves Ledo – Defendiam a Unidade Territorial, queriam um governo republicano, o fim dos laços com Portugal. Seu representante foi expulso do Brasil por D. Pedro
A Proclamação da Independência
  • 07 setembro – D. Pedro declara a independência do Brasil de Portugal por não aceitar ordens da Corte de Portugal exigindo imediatamente sua volta para completar seus estudos. É apoiado pelo grupo de Bonifácio
  • Em outubro foi coroado como imperador Constitucional do Brasil passando a ser chamado D. Pedro I
A Independência não foi pacífica
  • As provincias do Pará do Maranhão não reconheceram a autoridade do novo imperador. Só a reconheceram em 1823 pois ainda mantinham comércio com Portugal . Foi necessário longo combate por tropas estrangeiras, principalmente inglesas, contratadas por D. Pedro I, para que as mesmas se subjugassem ao seu poder.
  • A Independência do Brasil foi consequência de uma soma de fatores tais como: A vinda da família real para o Brasil que trouxe uma série de liberdade políticas e econômicas como a abertura dos portos as naçoes amigas, a transferência das decisões políticas do reino português para o sudeste brasileiro, a revolta do Porto exigindo o retorno de D. João e a recolonização do Brasil. Todos esses fatores somados podem explicar o movimento político que culminou com a proclamação de nossa independencia
Quem lutou pela independencia e por quê?
  • Principalmente a elite agrária do sudeste temerosa da recolonização e consequentemente a perda de seus privéligios concedidos por D. João VI
  • Porém nem todos estavam interessados na independência- os funcionários da coroa portuguesa residentes em nosso território, os comerciantes que faziam negócios com a Metrópole, os militares portugueses que ocupavam os altos cargos nos exército
  • As províncias da Bahia, Maranhão, Piauí, Sul pois nelas encontravam-se muitos portugueses
  • Portanto, nossa independência não foi pacífica como muitos acreditam. Muitas batalhas violentas foram travadas principalmente nas províncias do norte, nordeste e sul.
Problemas pós independência
  • Era necessário organizar o país política e administrativamente, bem como cuidar da grande crise econômica que o país atravessava devido a perde de mercado para venda de nossos produtos na Europa devido a grande concorrência exercida por outros países. Nosos produtos, açúcar, algodão, fumo, arroz estavam mais caros no mercado em comparação aos produtos dos EUA. Os acordos assinados com a Inglaterra, no governo de D. João, favoreceu muito a Inglaterra e prejudicou nossa manufatura
  • Para resolver a crise D. Pedro solicitou um grande empréstimo à Inglaterra e como parte do pagamento, facilitou ainda mais a entrada de produtos ingleses em nosso país, provando mais crise econômica, o que desgatou muito o governo de D. Pedro e somou com a impopularidade com a população.
A Nova Constituição do País – 1824
  • O grupo de pessoas escolhidas para fazer parte da Assembléia que iria escrever a Constituição possuía muitas divergências de como escrevê-la. Eram em sua maioria, Grandes donos de terras, altos funcionários, pessoas de setores dominantes do Brasil
  • Os deputados provinciais se dividiram em conservadores e liberais. Estes últimos defendiam profundas reformas na estrutura política do país, permitindo uma maior participação da população nas decisões políticas do país, os primeiros eram absolutistas e defendiam a exclusão da camada mais pobre nas decisões politicas
  • Por estas desavenças e críticas, D. Pedro acabou por dissolver a assembléia, mandou prender os participantes e expulsar alguns do país,e nomeou uma outra composta de pessoas de sua confiança. Eram em sua maioria portugueses o que trouxe muita crítica principalmente por parte das provincias do Norte e Nordeste
  • As principais características da Nova Constituição eram :
  • O regime político era a monarquia Constitucional e hereditária
  • A religiao oficial era a católica
  • O poder passava a ser dividido em 4 órgãos – Legislativo, executivo, judiciário e o Moderador, sendo o imperador seu representante
  • O voto era indireto( para escolha de deputados e senadores) e censitário( baseado na renda)
As rebeliões pós independência
Confederação do Equador – Ocorreu em Pernambuco que juntou-se ao Rio Grande do Norte + Paraíba e Ceará que eram contrários as medidas impostas por D. Pedro pela nova Constituição, a insatisfação com os impostos. Pretendiam assim separar-se do Brasil, criar uma Constituição Republicana Liberal. Foram duramente repremidos pelas tropas do Imperador
A abdição de D. Pedro I
  • Motivos: a impopularidade do Imperador que recebia violentas críticas da imprensa, como também grandes agitações nas provincias expressas nas rebeliões de carater separatista
  • O que mais agravou a sua situação foi:
  • O assassinato do jornalista Líbero Badaró um grande crítico de sua forma de governar no qual D. Pedro foi acusado de ser o mandante
  • A noite das garrafadas – um episódio ocorrido no Rio de Janeiro entre portugues e brasileiros descontes com os primeiros que pretendiam fazer uma homenagem ao imperador
  • A troca do Ministério que era composto por pessoas ‘’populares’’ por um ministério chamado de Marqueses – Portugueses
  • Diante de tal quadro e também pela ameaça que sofria o trono de portugal ser ocupado por um tio seu e não sua filha de 6 anos, D. Pedro I resolve embarcar para Portugal abdicando de seu trono e deixando em seu lugar seu filho D. Pedro com 6 anos de idade
Atividade página 143 ( em sala)
Atividade: VALOR 2 PONTOS DIA 11/07 – EM SALA
2 grupos de 5 e 3 grupos de 4
Grupo I – Apresentar o Brasil durante a regência de D. Pedro
Grupo II – Apresentar os motivos que levaram a proclamação da Independência
Grupo III – Apresentar e explicar como ocorreu a Independência
Grupo IV – Apresentar a Constituição de 1824
Grupo V – Apresentar a Abdicação de D. Pedro II

1 Comentários:

Às 10 de julho de 2012 10:23 , Blogger Santana. disse...

Professora Sesana, não seria D. Pedro | ??
Beeijos. :)

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial